Análises

Street Fighter x Tekken

Nota editorial: Quando testei o modo online, este apresentava um problema de desfasamento no som. Como a Capcom anunciou o lançamento de um patch que iria corrigir este problema, eu adiei a publicação da análise de forma a poder testar o online com o patch e ver se o problema estava resolvido. Assim, espero dar uma opinião mas actual.

Este não é o primeiro jogo de luta que combina dois universos (nem será o último) mas Street Fighter e Tekken têm estilos e jogabilidade tão diferentes um do outro, que o resultado final tanto podia ser um falhanço total como algo verdadeiramente espectacular. Eu apostaria mais na segunda opção. De facto, esta união foi feita de forma perfeita.

Começando pelo aspecto gráfico, Street Fighter X Tekken mantém o mesmo estilo de design e fluidez que Street Fighter 4. Os cenários são bastante coloridos, detalhados e estão cheios de vida e as personagens Tekken estão divinais. De facto, a Capcom conseguiu captar o aspecto característico destas personagens e incorpora-las no motor de jogo de Street Fighter.

A componente sonora também está no ponto. As músicas dão um feel bastante característico de Street Fighter e existe a opção de vozes em inglês e japonês. Esta opção é bem vinda, pois permite personalizar as vozes de cada uma das 38 personagens.

Para que tanta personagem junta ande à luta, é preciso um mote. Neste caso, existe um poder misterioso que interessa a todas as personagens e estas juntam-se em pares em busca de tal poder. É uma premissa simples mas que funciona e acima de tudo, proporciona alguns momentos cómicos quando certas equipas interagem com as equipas rivais.

O roaster é bastante variado e chega às 38 personagens (na PS3 são 42 pois tem o Pac-Man, Mega Man, Toro, Kuro e Cole como personagens exclusivas). As caras mais conhecidas de ambos os universos marcam presença e certamente que todos os jogadores irão encontrar uma personagem que gostem.

No entanto, tenho de referir que algures no Outono, quando sair a versão PS Vita, será lançado um DLC com 12 personagens. Estas personagens já estão incluídas no disco e só serão desbloqueadas mediante um pagamento. Ora, isto é sem dúvida um travão a quem inicialmente tinha interesse no jogo, pois em vez de o comprar agora, vão esperar que baixe o preço ou que seja lançada uma versão Ultimate/Super. E isso é pena, pois SxT transborda a qualidade e novidade.

Ainda assim, as 38 personagens permitem um sem numero de combinações de equipas com diversos pontos fortes/fracos o que vai requerer muito tempo para as explorar a fundo.

O jogo, tem como base o aspecto e jogabilidade de SF4 e ao contrário do que se poderia pensar, as personagens Tekken são verdadeiras adaptações. Isso significa que, para além de manterem os seus golpes característicos, a forma de jogar com estas personagens, é bastante diferente das personagens Street Fighter. Por isso, os veteranos terão bastante trabalho para conhecer o move set destas novas personagens e se habituarem a um novo estilo. Certamente é um incentivo para quem vem do SF4.

Street Fighter xTekken é um jogo rápido. Diria que é um meio termo entre um SF4 e um MVC3. A contribuir para essa rapidez, está também o sistema tag team bastante semelhante ao visto em MVC3. No entanto, existem algumas diferenças bem importantes. Para começar, só podemos levar dois lutadores para o combate (ao invés de três) e talvez a diferença fundamental, é que basta uma personagem ficar KO para perder o combate. Algo que é de salientar, é o esforço que a Capcom fez em tentar agradar a todos, ou seja, a novatos e a veteranos.

Um bom exemplo para agradar aos novatos, é o Cross Rush que permite fazer um combo de forma simples, em que este termina com o oponente no ar à mercê do segundo lutador para este continuar o ataque. Não é tão espalhafatoso como no MVC3 mas é eficaz. Outro exemplo, são os Quick Combos. Cada personagem, tem dois slots que podemos associar a qualquer butão e que permite fazer combos pre definidos. Cada personagem tem dois Quick Combos, sendo que com o DLC gratuito, esse numero subiu para cinco por personagem.

Por outro lado, para agradar aos veteranos, a Capcom tentou dar mais profundidade e sentido táctico ao combate de SxT. À semelhança de SF4, Existe uma barra que está dividida em três secções. Em SxT, essa barra chama-se Cross Gauge e enche sempre que conectamos ou levamos golpes.

Usar uma secção, permite fazer versões mais fortes dos golpes normais. Também permite usar um Cross Cancel, que serve para contra atacar com um launcher ou usar um Switch Chance que serve para trocar de personagem a meio de um combo.

Usar duas secções, permite fazer um Super Art que basicamente equivale aos movimentos Ultra presentes em SF4 e usar as três secções, permite fazer um Cross Art em que os dois lutadores se unem e fazem um combo Super Art.

Por ultimo, existe o Pandora que é uma manobra de alto risco e pode ser activada quando a barra de vida estiver abaixo de 25%. Esta manobra, mete KO o outro membro da equipa, dando um aumento considerável de poder por tempo limitado e caso não se consiga a vitória dentro desse tempo, perdemos o combate.

Como se isto não fosse suficiente, ainda foi introduzido um sistema de Gems. Provavelmente, este foi a mecânica mais corajosa que a Capcom implementou em SxT. Afinal de contas, Street Fighter sempre teve a filosofia clássica de que para vencer, é preciso treinar e conhecer as personagens. O sistema de Gems, poderia por isso em causa e foi essa a razão da sua contestação. Felizmente, os Gems são passivos e embora dêem alguma ajuda, não são de todo algo em que se deva confiar para vencer.

Cada personagem, pode ser equipada com três Gems, sendo que estes podem melhorar o ataque, defesa, velocidade, vitalidade ou velocidade de aumento da Cross Gauge. Ao invés de estarem activos do inicio ao fim do combate, eles só são activados durante o combate e após se ter atingido um pré requisito. Além disso, são raros os Gems que estão permanentemente activos. Normalmente, os efeitos duram entre 15 a 20 segundos dependendo do Gem. Em suma, treino ainda é essencial.

Inicialmente, a melhor altura para escolher o setup de Gems, seria no menu principal, mas após o patch, essa escolha também pode ser efectuada no ecrã de selecção de personagem.

Se no passado a Capcom falhou em muitas coisas, a verdade é que acertou em cheio na jogabilidade de SxT. Um bom conselho que posso dar, é assim que forem jogar pela primeira vez, passar pelo tutorial e fazer todas as lições várias vezes até interiorizar estas mecânicas. Isto ajuda a evitar algumas vergonhas no online.

Falando de modos de jogo, existe o Arcade mode, Training mode e o Challenge mode que é uma secção onde temos de concluir vários desafios. Neste aspecto, SxT não apresenta nada de novo quando comparado com SF4.

A nível do modo online a Capcom também fez por introduzir algumas novidades. Agora, existe a possibilidade de fazer equipa com outro jogador (na mesma consola ou via online) e lutar contra uma outra equipa de dois jogadores, em que cada um, controla uma personagem à vez ao modo normal tag team. Também é possivel convidar um amigo e ir para as Endless Battles. O Scramble mode permite que quatro jogadores lutem ao mesmo tempo, enquanto que as outras opções como leaderboards ou replay channel regressam do SSF4.

Infelizmente, a versão XBOX 360 não permite que dois jogadores na mesma consola, possam lutar contra outros dois jogadores online. É uma pena, pois quando comparada com a versão PS3, acaba por ter menos funcionalidade e personagens.

Para SxT, a Capcom decidiu criar um netcode de raiz, para assim conseguir aguentar quatro jogadores ao mesmo tempo. Inicialmente, as lutas online apresentavam algumas quebras abruptas de ligação e problemas de som, em que este não correspondia ao que estava a acontecer no ecrã. O último patch, corrigiu este problema e tornou as ligações mais estáveis.

Havendo o (Super) Street Fighter 4, o Third Strike e mais uns quantos bons jogos de luta actualmente no mercado, era difícil ver o porquê da existência de mais outro. Para ser relevante, SxT teria de marcar uma posição e destacar-se dos restantes concorrentes….e foi isso que aconteceu. SxT é inovador, chegando a ser brilhante em alguns aspectos. A Capcom, entrou de rompante com SxT dando uma valente tareia a outros jogos do género com este casamento, sem nunca comprometer a identidade do universo Street Fighter e do universo Tekken.

Artigos Relacionados

Ver Também

Close
Close
Close