ArtigosNotícias

Conheçam os finalistas da final portuguesa do GT Academy 2012

Nos dias 13 de 14 de Julho, decorreu a final portuguesa do GT Academy 2012 no Circuito do Estoril. Os três vencedores irão disputar a grande final no Race Camp em Silverstone, sendo que o grande vencedor, irá ganhar um programa de desenvolvimento de piloto de corrida e uma participação nas 24 Horas do Dubai a ser realizada em Janeiro de 2013, ao volante de um Nissan 370Z.

Apurado o trio que irá representar Portugal em Silverstone, é altura de conhecê-los melhor, de saber as dificuldades que tiveram, as suas motivações e outras curiosidades.

Raul Pereira: “Sempre que entro num automóvel esqueço tudo”

Raul Pereira foi o primeiro classificado, depois de contabilizados os pontos obtidos em quatro actividades: competição em simulador, prova de media, condução e prova física.

Com 27 anos, Raul Pereira vive desde sempre em Famalicão e confessa que, apesar de volvida uma semana desde a final portuguesa, ainda está na lua por estar tão perto de concretizar o seu sonho de criança: ser piloto profissional de automóveis.

“Vivo numa cidade com muita tradição no automobilismo, com alguns dos melhores pilotos nacionais, e foi desde muito novo que o meu pai me levou a ver as mais diversas provas. No fundo, tudo o que tenha um volante, pedais e caixa de velocidades tem um significado muito especial para mim e admito que sempre que entro num automóvel esqueço tudo”.

“Não quero distrair-me, não quero perder o sentimento de que posso vencer e estou a trabalhar, a vários níveis, para que assim seja. Desde horários de sono bem definidos, uma alimentação equilibrada, trabalho físico, treino na consola e permanente visualização de vídeos das edições anteriores do GT Academy.”

O famalicense diz que a sua maior qualidade é o profissionalismo, algo que “pode fazer a diferença em Silverstone”. Já o medo de ceder à pressão pode constituir o ponto fraco, mas Raul Pereira avança que está “a trabalhar para atenuar esse risco”. O aspirante a piloto refere ainda: “Não vejo a hora de estar aos comandos do Nissan GT-R, o automóvel dos meus sonhos. No entanto, assumo que fiquei verdadeiramente surpreendido com o comportamento do Nissan Juke no Circuito do Estoril». Quanto a ídolos, Ayrton Senna é o eleito.

Diogo Sousa: “Tenho muito trabalho pela frente”

Quando soube que tinha sido selecionado para Silverstone, graças à 2ª posição conquistada no Estoril, Diogo Sousa foi um dos mais contidos a exteriorizar os sentimentos e os primeiros comentários foram até algo monocórdicos. Uma semana depois, as palavras saem fluentemente e é o próprio a admitir que só ao fim de um ou dois dias é que interiorizou o que aconteceu: “uma oportunidade única, proporcionada por uma iniciativa espectacular, que me permite pensar em concretizar um sonho de criança – ser piloto de automóveis”.

Nascido há 27 anos em Hong Kong mas a viver em Lisboa desde muito, Diogo Sousa afirma: “Agora os sentimentos são algo diferentes. Estou completamente concentrado no objectivo de Silverstone e, por isso mesmo, mudei hábitos antigos”. Hábitos antigos? “Sim! Não raras vezes deitava-me tarde e acordava tarde, até pelo facto de trabalhar como DJ à noite. Agora estou a impor horários rígidos, diferentes hábitos alimentares e bastante exercício físico. Por vezes penso que nunca mais chega a hora de partir para Silverstone, mas ainda bem que ainda faltam quatro semanas, porque tenho muito trabalho pela frente”.

Diogo Sousa fala ainda do que o levou a participar na GT Academy: “Para chegar onde cheguei, foi mais importante a paixão pelo automobilismo do que as horas a jogar. Tenho imensa vida social, namorada, pratico futebol, karting e desde miúdo que gosto de jogos automóveis. Comecei a jogar GT5 há cerca de um ano e meio e, como consegui ser sempre bastante rápido, decidi tentar a minha sorte na GT Academy. Felizmente as coisas correram bem e hoje estou aqui, a aguardar a partida para Silverstone.”

O padrasto (ex-piloto de karting) foi quem despertou o gosto por pilotar a Diogo Sousa. Se não tem um, mas sim “vários carros de sonho”, admite que adorou conduzir o Juke no Circuito do Estoril “por ser fácil de conduzir, com um bom comportamento, bons travões e rápido”. Tem Ayrton Senna como ídolo e considera a determinação a sua maior virtude e a forma física o ponto que mais tem de trabalhar.

Hugo Araújo: “Não posso estar mais feliz”

Na final nacional foi o 3º classificado e o último a receber o passaporte para Silverstone. Exemplo perfeito de que não existe um perfil de jogador estereotipado, Hugo Araújo tem 31 anos, é director comercial de uma empresa de aluguer de automóveis e vive em união de facto. Reside em Lisboa mas, como nasceu em Braga, viaja até à cidade dos arcebispos pelo menos a cada duas semanas e o que não falta na bagagem nestas alturas é a PS3 e o LCD para poder jogar. Apesar da vida profissional e familiar, Hugo Araújo joga diariamente cerca de quatro horas – uma dedicação que resulta da paixão pelo desporto automóvel: “Desde muito novo que ia ver várias provas, da Rampa da Falperra ao Rali de Portugal. Infelizmente nunca tive condições financeiras para tentar uma carreira mas agora surgiu esta oportunidade fantástica e, sinceramente, não posso estar mais feliz.”

O segredo do sucesso de Hugo Araújo reside no gosto que tem em jogar. “Jogo GT5 desde o dia em que foi lançado e acho-o fantástico pelo realismo. “E confesso que o meu envolvimento ainda é maior pelo facto de ter muitos amigos que partilham a mesma paixão.” Este representante português faz parte de uma comunidade de jogadores que promove e organiza várias corridas de Gran Turismo 5 online.

Sobre se tem tempo para tudo, Hugo Araújo acredita que “quando se quer e se gosta, consegue-se tudo” e explica: “A vida faz-se de paixão, de cedências. Não tenho vícios. Não fumo, não bebo, não gosto de sair à noite, pelo que o GT5 até funciona como um escape.” A quatro semanas de partir para Silverstone, o bracarense acredita numa vitória: “Com a minha determinação, posso ganhar. A forma física não é a melhor mas estou a trabalhar nisso, a par do cuidado com a alimentação e a visualização de filmes das edições anteriores.” Ayrton Senna é o ídolo e, quanto a automóveis de sonho, a primeira coisa que fazia se lhe saísse o Euromilhões “era comprar um Nissan GT-R”.

O Race Camp da GT Academy, em Silverstone, é uma “recruta” para aspirantes a pilotos de corrida.

Uma demonstração do sucesso da GT Academy como percurso para o desporto automóvel de topo são os vencedores anteriores – Lucas Ordoñez, Jordan Tresson, Jann Mardenborough e Bryan Heitkotter – todos eles a competir em programas de corrida completos, pela Nissan, em 2012.

Agora, resta saber quem será o grande vencedor da GT Academy 2012.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close