ArtigosRetrospectivas

Retrospectiva: Forza Motorsport 4

Produzido pela Turn10, Forza Motorsport tournou-se numa das séries mais importantes da Microsoft. Muitos não deverão saber, mas Forza Motorsport nasceu porque Dan Greenawalt gostava de Gran Turismo e achava que deveria de existir algo semelhante na Xbox.

Progressivamente, a série foi-se tornando mais popular e actualmente, os títulos Forza Motorsport são obrigatórios para quem gosta de carros e de corridas. Uma das principais virtudes, é a forma como a Turn10 conseguiu criar um simulador que satisfaz aqueles que procuram realismo, ao mesmo tempo que, não é um bicho de sete cabeças para aqueles que apenas querem fazer duas ou três corridas de cada vez.

Forza Motorsport 4 foi lançado em Outubro de 2011 para a Xbox 360, e mantém o espírito dos seus antecessores. O jogo apresenta um vasto leque de veículos, traçados e opções de personalização, ao mesmo tempo que inclui algumas novidades.

Tal como é suposto, o núcleo duro do Forza Motorsport 4, é a quantidade de eventos que oferece ao jogador e a forma como incentiva a experimentação de veículos. O modo carreira, é feito no World Tour Mode, em que o jogador participa em vários eventos de categorias diferentes, ao longo de várias épocas. Um aspecto importante neste modo, é a forma como a IA se adapta à perícia do jogador, conseguindo proporcionar um desafio constante.

No entanto, não deixa de ser decepcionante que após tantos anos e tantas inovações na jogabilidade, som e física, as campanhas dos simuladores em consola,continuam aborrecidas. Por mais que se goste do jogo e daquilo que nos apresenta, vai sempre chegar a uma altura na campanha, em que já se joga em esforço apenas para completar o modo. Com novo hardware a chegar, é algo que deve ser revisto, de forma a tornar a experiência mais emocionante e menos repetitiva.

Completado o World Tour Mode, existe uma Event List, onde estão listados os cerca de 300 eventos. Aqui entra a repetitividade acima mencionada, pois alguns eventos, são iguais ou com diferenças mínimas entre si, dando a sensação de que se está a fazer a mesma coisa. O que vem acrescentar alguma frescura, é o Autocross. Neste tipo de eventos baseado em time attack, o objectivo é completar um traçado pré-determinado o mais rapidamente possível, sem derrubar bidões. Ainda assim, não há nenhum incentivo para completar a totalidade da Event List, a não ser o achievement.

Tal como é hábito na série, podem contar com um modo multiplayer com várias opções, onde podem personalizar todos os aspectos das corridas. No Forza Motorsport 3, o máximo de jogadores por corrida, era de 8. Desta vez, o limite máximo foi aumentado para 16. Com isto, as corridas são mais emocionantes, a organização de campeonatos mais simples, e tornam as corridas multiclass uma verdadeira opção.

Uma das novidades foi a inclusão do Rivals Mode. Isto funciona de forma semelhante ao Autolog presente nos Need For Speed, e tem como objectivo comparar em tempo real, os vossos melhores tempos em certos eventos, com outros jogadores. Sempre que o vosso tempo é batido, irão receber uma notificação.

Para além disto, podem contar com a presença da Storefront, onde podem vender as pinturas, decals ou setups e também serve para mostrarem os vossos dotes de fotógrafo. A Auction House, também continua presente.

Sendo um jogo de carros, o leque de veículos é extremamente importante, e uma das vantagens de Forza Motorsport 4 sobre Gran Turismo 5, é exactamente a lista de veículos presentes. Essa vantagem aumenta ainda mais, se contarem com todos os Car Packs lançados. Desde utilitários, passando por hot hatches, chegando a super carros, há um pouco de tudo.E claro, podem contar com um bom leque de carros de competição, incluindo os da American Le Mans Series.

Algo que Forza Motorsport 4 consegue fazer bem, é proporcionar uma jogabilidade profunda e realista, ao mesmo tempo que dá ferramentas aos jogadores mais casuais, de forma a que também possam experimentar o excelente pacote que é Forza Motorsport 4. Os jogadores têm à sua disposição várias ajudas como, Controlo de Tracção, Controlo de Estabilidade, ABS, Linha de Travagem e mudanças manuais.

Aqueles que retirarem todo o tipo de ajudas, irão encontrar uma física bem apurada, que reflecte bem o comportamento de cada veículo. Por outras palavras, os carros reagem da forma como é suposto reagirem. Depois, ainda existe um vasto leque de personalização mecânica, que certamente irá agradar a todos os mecânicos virtuais.

No entanto, e à medida que a Turn10 tenta captar uma maior audiência através do Kinect e Autovista, um aspecto muito importante não tem tido a devida atenção. Esse aspecto é a simulação. Não existem corridas nocturnas, não existem estratégias de boxes e o desgaste de pneus e consumo de combustível, são irrelevantes. Seja consequência de um processo de produção que tem de lançar novos títulos de dois em dois anos, ou intencional, devido à tentativa de captar uma audiência mais casual, a verdade é que são funcionalidades que fazem falta a um simulador. E a julgar por aquilo que se sabe de Forza Motorsport 5, esta tendência será para continuar.

Tal como Dan Greenawalt nos está constantemente a lembrar, Forza Motorsport é destinado a transformar jogadores em amantes de carros, e amantes de carros em jogadores. Em essência, Forza Motorsport 4 é destinado a todos aqueles que gostam de desporto automóvel e estão atentos a todas as novidades sobre esta industria. E neste aspecto, o jogo cumpre perfeitamente com a sua função.

Artigos Relacionados

Ver Também

Close
Close