Análises

Nioh: Dragon of the North

O difícil jogo da Team Ninja fica ainda mais difícil.

Versão testada: PlayStation 4 Pro

Nioh foi lançado em Fevereiro deste ano e rapidamente conquistou os jogadores da PlayStation 4, graças a uma excelente reinterpretação do estilo de jogo tornado popular pela série Souls, misturada com as suas próprias ideias e mecânicas. Enquanto que alguns títulos tentam replicar sem sucesso a fórmula Souls, Nioh absorveu o estilo e estrutura dos jogos da From Software e combinou com um ritmo de combate rápido e fluído típico dos jogos da Team Ninja. Agora, chegou a altura de Nioh receber o primeiro pacote de conteúdo adicional.

Dragon of the North decorre após os eventos da história principal, o que significa que terão primeiro de terminar o jogo antes de conseguir aceder a este conteúdo. Após ouvir rumores de que Masamune Date andaria a recolher spirit stones para criar mais caos e desordem, William viaja até ao norte do Japão, mais concretamente até à região de Oshu, para tentar evitar que Date repetisse os erros dos seus antecessores.

É certo que a narrativa deste DLC não é assim tão diferente da narrativa do jogo base, mas isto parece ser intencional. Em vez de enveredar por um caminho onde o DLC funcionasse quase como uma história auto-contida com ligações ténues à história principal, como é hábito nos Souls, a Team Ninja optou por um seguimento mais directo da história. Se por um lado, não há algo de muito único, por outro, existe uma verdadeira continuação de eventos.

Esta continuidade acaba por beneficiar o design dos novos níveis, pois estas áreas encaixam e complementam muito bem as áreas originais. Estas novas áreas podem ser um tanto ou quanto familiares, mas a abordagem para as explorar não é. Os novos inimigos, apesar de serem poucos, estão incorporados de formas interessantes e são bastante desafiantes, o que apimentam ainda mais a exploração. No entanto, há que salientar que este é um DLC curto em novo conteúdo, apresentando apenas duas missões de história mais uma missão secundária. Em contrapartida, apresenta um nível de dificuldade alto.

Dragon of the North adiciona também uma nova arma chamada Odachi. Odachi é uma espada japonesa de grandes dimensões e com um alcance maior do que as outras espadas presentes no jogo. A Odachi é uma boa adição ao leque de armas de Nioh, e o seu maior raio de alcance é ideal para situações em que se tem de enfrentar múltiplos inimigos em simultâneo. A sua fraqueza está numa menor rapidez de ataque. A Odachi traz consigo a sua própria skill stree e dojo challenge.

Outras adições incluem mais Kodama para encontrar, novas armaduras para apanhar, novos Guardian spirits para equipar e, se estiverem dispostos a isso, um novo nível de dificuldade para o jogo inteiro. Além disso, também foram disponibilizadas mais skins para William, incluindo as skins de Fuku e Okatsu. Juntamente com o lançamento de Dragon of the North foi introduzido em Nioh um modo PVP, mas como isso não faz parte do DLC e foi adicionado via actualização gratuita, não irei comentar esta vertente competitiva.

Dragon of the North não muda a fórmula de Nioh, e isso não é propriamente uma coisa má. Afinal de contas, é um erro mudar algo que funciona bem. Este DLC poderia ser mais rico em conteúdo novo, mas parece que a prioridade da Team Ninja foi tentar estender e dar mais profundidade ao end game; a altura do jogo onde vão andar atrás das melhores armas e equipamento. Dragon of the North não é fantástico, mas é uma boa adição a Nioh.

Nota editorial: Foi-nos fornecida uma cópia deste jogo pela PlayStation para efeitos de análise

Veredito

Nota Final - 8

8

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver Também

Close
Close