Análises

Sonic Colors: Ultimate

Velocidade colorida.

Versão testada: PlayStation 4 Pro
Disponível para: PC, PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch

Eu lembro perfeitamente que em 2010 o Sonic Colors nunca teve tanta atenção como o Sonic the Hedgehog: Episode 1, se bem que este último, nem sempre foi pelas melhores razões. Sonic Colors não teve tanta fama como aquele jogo e apesar de não ter sido excelente era um jogo muito bom para a maioria dos utilizadores. Sonic Colors saiu para a Wii e para a Nintendo DS no dia 11 de Novembro de 2010 e este Sonic Colors: Ultimate é um remaster da versão Wii que serve para festejar os 30 anos do ouriço azul.

A Blind Squirrel Games ficou encarregue de fazer este remaster. Currículo? Fez remasters como o BioShock: The Collection, Borderlands: Game of the Year Enhanced Edition e o Mass Effect Legendary Edition e tem experiência em ports como WWE 2K18 para a Switch e o Sunset Overdrive para o PC. Sonic Colors: Ultimate usa o Blind Squirrel Engine em vez do Hedgehog Engine.

Sonic e Tails decidem investigar um parque de atracções criado pelo Eggman chamado Interstellar Amusement Park que está ligado a várias planetas. Mais tarde é descoberto que o Eggman anda a escravizar os Wisps desses planetas para criar um mind-control laser como objectivo de dominar o planeta Terra. Apesar de ter uma história muito acriançada, o que é aceitável neste tipo de jogos, o diálogo é fraco.

O que dizer das cutscenes do jogo? Se de fato as primeiras e as últimas cutscenes são muito boas, tudo o resto é inaceitável devido ao facto de apenas fazer upscalling às cutscenes pré-renderizadas. Em termos de gráficos durante gameplay, Sonic Colors: Ultimate é bom para o que é. Para além de terem passado para HD, mudaram também algumas texturas, iluminação, reflexos, sombras, e a geometria dos objectos. Tudo isto ficou muito bom em comparação com a da versão Wii. Mas nem tudo são rosas. Infelizmente o jogo tem alguns bugs visuais que precisam de ser corrigidos como o fumo intermitente no Act 1 do Planet Wisp. E também erros algo amadores, em que se esqueceram de adicionar “Fireworks” quando derrotamos o boss final, e o Super Sonic não tem sombra. A nível de performance, o jogo corre a 60 FPS em 1440p na PS5 e PS4 Pro, e a 1080p na PS4. No entanto, notei pequenas quebras de framerate ocasionais na PS4 Pro.

Eu confesso que não estava muito entusiasmado com este jogo devido ao facto de estar farto da mesma fórmula que já vem desde o Sonic Unleashed (2008), mas felizmente este Sonic Colors: Ultimate revitalizou um bocado esta chama. Gosto do design e do platforming, chegar a certas plataformas com o poder dos Wisps, coleccionar anéis, Red star rings e tokens. Este jogo foi mesmo feito para todas as idades.

Temos 8 níveis com vários actos para explorar: Tropical Resort, Planet Wisp, Sweet Mountain, Starlight Carnival, Asteroid Coaster (o meu preferido), Aquarium Park, Terminal Velocity e por fim Game Land. Neste último, quando coleccionamos uma certa quantidade de Red Star Rings, desbloqueamos um acto de uma das 7 chaos emerhalds. Quando estes actos forem todos completados, podemos transformar-nos em Super Sonic durante os actos dos níveis.

Temos no total nove wisps para usarmos durante os actos incluíndo o novo Wisp deste Ultimate: White wisps (dão boost ao Sonic), Cyan Wisp, Pink wisps (o Sonic transforma-se numa bola espinhosa e consegue facilmente ir para todas as direcções numa parede ou num tecto), Green Wisps, Orange Wisps, Blue Wisps, Yellow Wisps, Purple Wisps , por fim, Jade Wisps. E falando neste último, o Sonic torna-se num fantasma e consegue ir para certas partes intransponíveis que o Sonic normal não consegue.

No que toca a novas funcionalidades desta versão Ultimate, durante as nossas playthrough’s ganhamos tokens. Esses tokens servem para comprar itens de personalização, como gloves, shoes, aura, boost e icons. Mas nem os menus das opções e da personalização vão escapar às minhas críticas, porque são demasiado lentos. Também não consigo perceber o porquê de não terem dado um próprio efeito sonoro para os tokens ao invés de reaproveitar efeitos sonoros de outras coisas. E por último, temos uma nova mecânica chamada Tails Rescue. Quando caímos num acto com Tails Rescue em nossa posse, essa mesma funcionalidade guarda os rings, tokens e os Red Star Rings. Não considero uma má adição (torna o Tails útil no jogo) apesar de tornar os checkpoints inúteis e também tem algo bizarro, porque após usarmos um Tails Rescue, tudo no acto faz reload (com a excepção dos Red Star Rings) incluído anéis e tokens. O que quer dizer que podemos fazer farm de anéis e de tokens.

Podemos também fazer desafios Rival Rush contra o Metal Sonic numa corrida estilo time attack num dos actos. Considero a banda sonora remixada deste Ultimate bastante satisfatória, porém também tem as suas falhas. Por alguma razão, algumas vezes a música dos Wisps não toca. Em suma, infelizmente, este Sonic Colors: Ultimate não faz jus ao jogo da Wii muito por causa da quantidade de falhas que tem. Admito que não deve ter sido fácil trabalhar nesta versão remasterizada devido à pandemia e outros factores semelhantes, mas alguns aspectos poderiam e deveriam estar melhores.

Nota editorial: Cópia fornecida pela editora para efeitos de análise. Esta análise foi feita após a actualização 1.03.

Veredito

Nota Final - 6.5

6.5

Sonic Colors: Ultimate não é um mau jogo, mas acaba por sair prejudicado devido à quantidade de falhas.

User Rating: Be the first one !
Botão Voltar ao Topo